quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

TODO MUNDO JUNTO! - Dinah Ribeiro de Amorim

Tela: “Família”, de Tarsila do Amaral.


TODO MUNDO JUNTO!
Dinah Ribeiro de Amorim

  Pedrinho adora festas! A casa fica cheia de gente, seus amigos, avós, tios, primos, até sua professora com seus filhos, muitas vezes aparece!

 Dias de Natal, Páscoa, aniversários, vive esperando com o calendário na cabeceira da cama, com grande ansiedade!

Sua alegria é tanta que um dia perguntou ao pai:

— Paê, ô pai! Por que não moramos todos juntos, na mesma casa?

 Seu pai, espantado, respondeu:

— Nós moramos, filho! Eu, você, sua mãe, sua irmã! O que você acha?

— Não, pai! Todo mundo mesmo! A vovó, o vovô, os tios, o homem da farmácia, minha professora, seus filhos, as crianças do vizinho, seus pais.  Seria, então, uma grande festa, todos os dias!

  O pai de Pedrinho sorriu, pensou um pouco e ficou matutando como responder esta pergunta, sem magoá-lo e para que ele entendesse.

 — No começo do mundo, filho, era assim mesmo. Todos moravam juntos, numa grande casa, parecendo uma aldeia de índios, como você viu na televisão. Comiam o que plantavam ou caçavam, dormiam em redes, protegiam-se do frio e da chuva em palhoças ou uma grande oca, feita de palha. Formavam um pequeno grupo ou tribo.

— Era assim mesmo... pai!?

_ Com o tempo, filho, esse grupo foi crescendo, aumentando, conhecendo coisas novas, alguns querendo mudanças de vida, conhecer novos lugares! Aprenderam muitas coisas... Foram surgindo povoados, com casas próprias para cada família, igrejas para cultos, cartórios para registros de quem nascesse, um juizado para impor ordem porque algumas pessoas queriam mais que as outras, as primeiras brigas, campos de futebol, etc...

— Nossa pai, brigavam muito também!

— Sim filho, cada família gostava de uma coisa, uns queriam, outros não queriam, discutiam muito. Aí resolveram formar pequenos grupos que discutiam entre si, trocando ideias. Vencia quem convencesse mais. Houve, então, a necessidade de um chefe para todos, com formação de leis que todos obedeciam...Cada família mandava em sua casa e o pai era o chefe, mas para todos, havia um chefe geral, que cuidava do bem-estar de cada um... E foi assim que surgiram os municípios, cidades, estados, países, etc... O mundo como é hoje!

— Puxa pai! Que difícil, não!

— Sim, Filho! Quando você for para a escola irá entender melhor!


— Queria ir logo para a escola. - respondeu Pedrinho. Tanta coisa que não sei!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Carta para Otavinho - Isabel Lopes

São Paulo, 9 de agosto de 2018. Querido Otavinho, Vou lhe contar um segredo, mas não conte para ninguém, por favor... ...