quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

À PROCURA DO NOSSO CRAQUE! - Dinah Ribeiro de Amorim



À PROCURA DO NOSSO CRAQUE!
Dinah Ribeiro de Amorim

   Estudo em uma escola estadual conhecida por ter o melhor time de futebol da região. Estamos ficando famosos, o que nos orgulha e envaidece, embora tenhamos relaxado um pouco nos estudos. Às vezes, levamos umas broncas dos professores e de nossos pais, mas, quando o time “Campeões” entra em ação, todos se esquecem e torcem com a gente.

  Somos mesmo fortes, sendo o nosso goleiro Gustavo, o melhor jogador de todos, nunca perdendo uma bola! Já o elegemos nosso capitão! Verdadeiro representante. Segundo os treinadores mais velhos, promete muito...

  Treinamos às sextas e sábados, quando não há partidas. Estranhamos que nos últimos treinos, Gustavo não apareceu. Foi difícil substituí-lo e logo pensamos em viagem ou doença. Não costuma faltar.

  Na semana seguinte, tive uma forte dor de dente, fazendo com que mamãe, preocupada, levasse-me até o dentista. Enquanto esperava minha hora, folheei algumas revistas, principalmente de esportes, mas, outra, logo chamou atenção: menino desaparecido de casa há uma semana, chamado Gustavo. Fiquei super impressionado quando deparei com sua foto sorridente e amiga, numa manchete daquelas! Esqueci-me da dor de dente e quis sair imediatamente, ouvindo zanga de mamãe: “Está louco, filho! Já está chegando sua vez. Pode até dar uma infecção sem tratamento!” Não queria ouvir, só pensava no meu amigo, desaparecido; por isso, não tinha ido aos treinos.

  Fui correndo para a escola, reunir a turma. Tínhamos que fazer alguma coisa! Ver com a família quais foram seus últimos passos, se avisaram a polícia, que providências já tinham sido tomadas...

 Na sua casa, disseram que sua última saída fora numa sexta-feira, cedo, para ir ao ginásio, treinar. Não foi, não voltou, nem sabiam mais de nada.

  Conhecíamos times de outras escolas de olho em nós, com inveja de nossas vitórias, mas sempre achamos que não chegariam  a tanto. O espírito esportivo havia no meio estudantil. Pelo menos, achávamos!

 Pergunta daqui, escuta de lá, fizemos grande interrogatório em todo o bairro. Se a polícia estava agindo, nós também ajudaríamos. Ficamos sabendo de um tal Tonhão, meio perigoso, que costumava fazer apostas durante as partidas de futebol dentro dos colégios. Era o seu ganha-pão! Não foi muito fácil encontrá-lo! Ele escorregava dos lugares como bolas de sabão. Sumia no ar. Finalmente, encontramo-nos com ele num boteco afastado, namorando uma menina, e, após muita insistência e ameaças, concordou em falar conosco. Primeiro respondeu que nem sabia quem era Gustavo. Demos uma prensa, e ele disse que tinha um outro time, “Os Enquadrados”, de outra escola, que andava comentando que ele deveria ser afastado. Era bom demais e atrapalhava os outros times, que sempre acabavam derrotados. Isso não os estava agradando!

  Sem comentar muito, chegamos ao local que “Os Enquadrados” se reuniam para treino. Local bem afastado, preparando-se para uma partida de final de ano, importante. Ficamos sentados, assistindo ao treino, fingindo nem sermos jogadores de futebol. Nosso colega “Figura”, assim chamado por acabar observando tudo, sem que notássemos, descobriu um galpão, no fundo do terreno, bastante fechado. Achou que deveríamos dar uma olhada lá, meio disfarçados, pois poderia chamar a atenção e deveria ser local onde guardavam seus uniformes, bolas, etc... Figura foi andando, sozinho, à frente, no auge do treino, enquanto todos torciam. Reparou que tinha uma porta fortemente trancada, com uma pequena janela, meio escondida, mas semiaberta.

 Espiou através dela e quase não viu nada. Desconfiado, chamou por Gustavo e ouviu um barulho lá dentro. Chamou de novo e o barulho repetiu. Cauteloso, voltou para o resto da turma e disse que havia alguém preso lá. Fomos todos para lá e tentamos arrombar a porta. Figura, sabendo que os inimigos eram perigosos, chamou antes, a polícia. Fizemos tamanho barulho que o time parou de jogar e avançou em cima da gente. Foi um rolo de meninos se debatendo, esmurrando, empurrando pra valer, mas “Os campeões” venceram mais uma vez. Achamos Gustavo preso a uma cadeira, quase desfalecido, com a boca fechada por um pano.
  Pegamos o amigo, com cuidado, enquanto os sequestradores maldosos fugiam cada um para seu lado. A polícia chegou e pegou-os em flagrante. Não escapou nenhum!

  Gustavo, feliz por ter sido encontrado, abraçou seus amigos e voltou para casa, recuperando-se logo do trauma e voltando ao seu time do coração. Resolvemos todos andar sempre juntos, para maior proteção.

  Quanto aos Enquadrados por serem menores de idade e primários, iriam responder em liberdade, mas, proibidos de jogarem por muito tempo, e sob observação da polícia.


  Foi um choque para o colégio de ambos os times, que não esperavam que a violência estivesse assim tão alastrada no meio estudantil. Resolveram trabalhar mais nesse sentido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Carta para Otavinho - Isabel Lopes

São Paulo, 9 de agosto de 2018. Querido Otavinho, Vou lhe contar um segredo, mas não conte para ninguém, por favor... ...