quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

PERDI O SONO - M.luiza de C.Malina






PERDI O SONO
M.luiza de C.Malina

Uma noite eu não conseguia dormir.

Girava e desvirava.  Acabei levantando.

“Vou fazer como minha irmã. Saio da cama e tiro o pijama. Desço a escada, abro a porta e já estou fora de casa”- pensei

Lá fui eu!   A rua estava meio escura.  Fui até a esquina, como quando a gente passeia com o Tutu, nosso cachorrinho.  Não passava nenhum carro na rua.
“Opa, onde estou?”

Achei melhor perguntar para um homem de capa preta.

— Moço, o senhor sabe onde eu moro? É que eu não sei.

— Ah! Menino, eu sei sim. Vou te levar pra casa. O que você está fazendo aqui fora pelado?

— Eu acordei, tirei o pijama e vim passear. A gente não passeia de pijama, não é? 

— Sua mãe vai levar um susto muito grande!

O vigia da rua olha as horas. São 3:00 da manhã, mas precisa tocar a campainha.

A correria da campainha se tornou um alvoroço maior com a surpresa do “malandrinho” correndo para os braços da mãe, justificando muito feliz:

— Fui passear e o Tutu não foi comigo!

— Dona! Olhe, o seu filho  saiu para a rua a esta hora da madrugada, e  saiu assim, pelado! Eu estava quase cochilando na guarita quando senti uma coisinha se mexendo no outro lado da calçada, pensei que estava sonhando. Firmei bem os olhos e vi que era seu filho, saí correndo e o trouxe. Agora, se ele virasse a esquina, nunca mais a gente iria encontrá-lo!

— Fui passear mamãe, e o Tutu não foi comigo!  - repeti.

Tudo em ordem. O guarda aconselha:


—Dona, sua casa precisa  de muro e portão. Vai que eu durmo numa noite destas!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Em desalinho - Ana Catarina Sant’Anna Maues

Em desalinho Ana Catarina Sant’Anna Maues    Cheio de segredos ele vivia. Era homem de ações nada claras. Pessoa fria e calcul...