segunda-feira, 25 de junho de 2018

Coletânea CHOVE CÃES E GATOS - Ofício das Palavras




Nossa querida amiga May convida para participação na coletânea de contos que ela está organizando: CHOVE CÃES E GATOS

Cada autor poderá participar enviando um texto de (no máximo) 5600 caracteres. Fonte Times News Roman, tamanho 12, espaçamento 1,5, margem 2cm.

Revisão de textos garantida pela May, e todo capricho das publicações.

Valor: R$450,00 por pessoa.Pagamento poderá ser realizado em 3 parcelas. 

Encerramento: 19 de julho de 2018.

E-mail para envio do material: contato@oficiodaspalavras.com.br 








ANA CATARINA SANT'ANNA MAUES: NEM TE CONTO FIZ 21 CONTOS E +21.





Ana Catarina é daquelas assíduas escritoras, que não perde nenhuma oportunidade de criar histórias.

Quando começou, de imediato mostrou que sabia o que queria, e que tinha muito talento para mostrar.

Sedenta por mostrar suas histórias, todas ótimas narrativas, ela começou publicando seus primeiros 21 contos, era ano de 2016. Tudo ainda parecia verde para ela, mas estava bem maduro para o olhar dos leitores: NEM TE CONTO, FIZ 21 CONTOS teve festivo lançamento em sala de aula do ICAL juntamente com as eufóricas amigas de criação.

O livro saiu pela Editora Oficio das Palavras da nossa queria amiga May Parreira.

Poucos meses depois, quando já tínhamos entrado em 2017,   ela já se viu às voltas com outros bons contos, a euforia de publica-los impulsionou-a, então ela alinhavou-os e  partiu para sua segunda publicação.  O livro +21, também foi motivo de muita alegria, e festividade na sala do ICAL, juntamente com as colegas.

A próxima publica já tem data de lançamento 23 de agosto de 2018. Na sala do ICAL. Não faltem.

O título? 
Ainda manteremos em segredo.

Deveremos esperar para saber mais no dia 23 de agosto.

Para Ana Catarina desejamos sucesso. Que  continue altamente motivada a criar e publicar. Nossos olhos agradecem...












segunda-feira, 18 de junho de 2018

MARATONA LITERÁRIA NA PRÓXIMA AULA - 21 / 06/2018


Resultado de imagem para tempestade de ideias
Maratona literária?!

É um Brainstorming.

Brainstorming: expressão inglesa formada pela junção das palavras "brain", que significa cérebro, intelecto e "storm", que significa tempestade.

É uma técnica prática para dinamizar a criatividade, para provocar uma tempestade de ideias.

O nosso  Brainstorming será composto de uma serie contínua de exercícios literários, todos cronometrados.

Quando ouvir STOP pare de escrever.


Para que você consiga pontuar nessa maratona, recomendo que estude o conteúdo abaixo:


1. Figuras de Linguagem de um modo geral, em especial: 

Metáfora
Catacrese
Antítese
Anáfora
Anacoluto

2. Descrição Conotativa

3. Polinômio Criativo.


Se você chegar depois de ter iniciado, será impossível voltar ao início para você acompanhar. 

Traga papel e caneta

Boa sorte

sexta-feira, 1 de junho de 2018

CONCURSOS LITERÁRIOS 2018 - JÁ NESTA SEMANA DE JUNHO


Inscrições gratuitas.
De 05 de março a 05 de junho de 2018.



*********************************************************


Prêmio Poesia Agora - Inverno

de 11 de março de 2018 até 10 de junho de 2018


**************************************************************


Conto Brasil - Minicontos

de 11 de março de 2018 até 10 de junho de 2018




**************************************************************

cartaz18


*********************************************************

XVIII CONCURSO NACIONAL POEART DE LITERATURA

ATÉ 15 DE JUNHO DE 2018

http://culturaalternativa.com.br/xviii-concurso-nacional-poeart-de-literatura-2018/


**************************************************************


Inscrições: de 16 de fevereiro a 25 de Junho.



*******************************************************


Prêmio Governo de Minas Gerais de Literatura 2018

projetos podem ser inscritos até o dia 1 de julhohttp://www.cultura.mg.gov.br/component/gmg/story/4871-inscricoes-para-o-premio-governo-de-minas-gerais-de-literatura-2018-estao-abertas
***************************************************************
Prêmio Paraná de Literatura
18 de maio a 12 de julho de 2018http://www.bpp.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=105
***************************************************************DE 14 DE MAIO ATÉ 20 DE JULHO DE 2018http://www.iamspe.sp.gov.br/concurso-literario/
***

quarta-feira, 23 de maio de 2018

SEGREDOS TÊM PERNA CURTA - Hirtis Lazarin


Resultado de imagem para vasculhando quarto


SEGREDOS TÊM PERNA CURTA
Hirtis Lazarin

Renata era a irmã mais nova de mamãe.  Dez anos de diferença.  Foi sem querer, sem planejamento dos meus avós.

Apressadinha, nasceu antes do tempo.  Uma luta até deixar o hospital.  Vingou forte e saudável.

Cresceu mimada e cheia de caprichos, como se a vida fosse extraída de romances hollywoodianos.

Desesperou-se quando soube que o príncipe desencantou e que no mundo há meia dúzia de castelos para turistas.  E que os homens não são heróis e nem usam capa e espada.

Sou uma adolescente observadora, curiosa e persistente.  Uma detetive improvisada.

Alguma coisa no comportamento da Renata me incomodava.

Um quê estranho no olhar, um desconforto quando papai e mamãe se acarinhavam.  Sua risada não era autêntica.   Não era um riso aberto, escancarado.  Era amargo e amarelo.  Escondia uma insatisfação constante. Suas palavras, muitas vezes, soavam falsas. 

Não queria saber de namorado e todos os rapazes eram cheios de defeitos.
  Muito estranho. Uma jovem de dezoito anos, com todos os hormônios em ebulição, não sentir atração pelo sexo oposto.  Faltava-lhe autenticidade.

Muitas vezes, trancava-se no quarto horas a fio.  Meu ouvido coladinho à porta ouvia soluços, palavrões, pensamentos entrecortados pensados em voz alta e até murros em móveis.

Que segredos seriam esses?

Minha curiosidade só crescia... Eu precisava explorar aquele universo enigmático.

Finalmente meu dia chegou.  Era um feriado prolongado.  Renata viajou com amigos e eu invadi o quarto secreto.  Pé ante pé...

Fucei todos os cantos, levantei lençóis, colchas e cobertores, abri armários e revistei roupa por roupa, remexi gavetas com cuidado pra não alterar a ordem dos objetos, virei malas e bolsas ao avesso, até caixinhas de bijuterias não escaparam.  E eu não encontrava nada. 

Desconsolada,  já desistindo, não sei por quê, pensei no casaco pesado próprio pra neve. Eu já havia examinado todos seus bolsos.  Seria uma intuição?

Retirei-o bruscamente do armário e não é que o bolso grande guardava uma caixinha... Uma caixinha decorada com coraçõezinhos pink, envolta e presa por fita de cetim.

Acomodei-me na cama, respirei fundo pra controlar a ansiedade e acalmar meu coração disparado pra quebrar.

Ou ali estavam guardados os segredos de tia Renata ou, então, seria o fim de uma busca malsucedida.

Abri com cuidado.  Dentro, uma simples caderneta. Folheando rápido, sem atentar ao conteúdo, havia muitas anotações e algumas fotos em tamanho reduzido.

Comecei a ler. Já na primeira página, quase enfartei. Continuei com a leitura. A cada página, uma decepção maior que a anterior.  

Sentia raiva, muita raiva.  Renata era louca ou estava ficando?

Chorei, gritei, esperneei, soltei todos os palavrões que mantive aprisionados.

Ao término, meu primeiro impulso era pra rasgar a caderneta em mil pedacinhos e queimar.

"Não posso.  São minhas provas".

As dúvidas eram tantas!  Mostrar à mamãe?  Guardar segredo?  Falar com a Renata? Eu não estava em condições de decidir...

Sabem as fotos?  As fotos eram do Vitor. E até um acróstico ela fez para o Vitor!

"Vivo perdida em você
Isso me enlouquece, me tortura
Tanta dor, sofrimento, por quê?
O seu corpo, a sua boca, uma pintura
Rendo-me, entrego-me
   Sou toda sua."

Eu estava arrasada, indignada.

Vitor é o meu pai.

PRISÃO DA MORTE - Henrique Schnaider



Imagem relacionada

PRISÃO DA MORTE
Henrique Schnaider


A prisão de San Quentin é de segurança máxima, apesar disso, vários presos conseguiram empreender fuga dali com sucesso.

Sempre vigiados por vinte e quatro horas, engenhosos, conseguem ludibriar as autoridades, comunicam-se entre si, passam objetos uns aos outros, provocam rebeliões sanguinárias, fugas espetaculares.

Apesar do ambiente péssimo, os presidiários fazem de tudo para tornar as coisas mais amenas, procuram se manter alegres, enfeitam as celas, afastando o pesadelo de uma morte triste.

Rui depois de cinco anos, preso por assalto seguido de morte, tinha uma ideia fixa, fugir dali para sempre, tendo certeza que nunca encararia  a hora fatal da execução.

O rapaz pensava, como vou aproveitar cada minuto, quando estiver livre, farei tudo aquilo que não fiz antes de cair em desgraça.

Estudou minuciosamente, cada detalhe dos costumes dos guardas, de todo o sistema de segurança e de vigilância da prisão, concluindo que a madrugada era o melhor horário para realizar o plano de fuga.

Sem pressa, fabricou uma chave falsa, porem não conseguia abrir a cela, falhou no seu intento, tornando a fuga inviável.

Imaginou outro meio de obter sucesso na empreitada, conseguiu fazer uma lima com restos de coisas escondidas, pois tinha todo tempo do mundo para ir juntando.

Aos poucos conseguiu romper a trava da cela. Finalmente em uma madrugada gelada, escapou, morrendo de medo do fracasso.

Saiu se esgueirando, aproveitando a escuridão, pensando, desta vez vou conseguir.

Tudo estava dando certo, ansioso suava frio, será que fracassarei, espero que não, sou inteligente, mais esperto do que eles, vou rir muito, por conseguir ludibria-los.

Rui conseguiu chegar aos muros da prisão, silencio tumular em volta, já enxergava o mundo delicioso da liberdade.

Começou a escalar o obstáculo, com uma certa facilidade, um salto, sentia-se com asas ao pular para o lado de fora do presidio.

De repente, luzes, guardas por todos os lados, incitando seus mastins ferozes para cima do indigitado rapaz, que viu seus mais dourados sonhos desfeitos, fracasso era a única coisa, que Rui conseguia pensar, só de imaginar voltando para a cela, preferia morrer ali mesmo.

Poucos meses depois, findaram todos os recursos. Chegado o dia fatal da execução, Rui fez a ultima refeição, preparando-se para morrer.

Levaram o jovem para a sala do horror, colocaram as amarras nos braços, pernas, pescoço e cabeça, o guarda foi ligar a cadeira elétrica.

Um grito veio de fora, suspendam tudo, pois atendendo a um último pedido do advogado, o Presidente do País, resolveu conceder o perdão da pena de morte, transformando em prisão perpétua, Rui estava salvo, não morreria, mas amargaria a prisão para o resto da vida.


quinta-feira, 17 de maio de 2018

DOR EXISTENCIAL - ILKA ANDRADE



Imagem relacionada


DOR EXISTENCIAL
ILKA ANDRADE

Jouse acordou e tomando suco verde.
Enquanto isso pensava: 
Dor de cabeça vem da cabeça.!
Dor das costas vem das costas!
Dor do estômago vem do estômago!
E a dor existencial vem de onde?

Vem das nossas fraturas emocionais, tristeza, angústia, vazio. Esta dor nenhum plano de saúde cobre. Mesmo sendo possível encontrar seu foco não é fácil a cura. Conhecemos outras pessoas e sofrem por pensamentos imaginários. Essa dor não vem da escolha, mas do destino. Talvez, de uma proposta negada, um beijo recusado, um convite a desistência.

           Jouse passa sentir o sabor da angústia abandonada pelo seu grande amor. Brota então um choro sentido vindo da zona mais secreta. Na despedida ele dirigiu palavras brancas e frias, mas grato pelo amor recebido. Só que acabou de acabar, não adianta mais.... Não temos nada a perder ou a ganhar...

O tempo e as lágrimas corriam. Era um amor que colecionava mais brigas do que beijos, mais discussões do que declarações, mais rendições do que entrega. Um amor sem parceria.

       A vida joga os dados, distribui as cartas, gira a roleta, e a nos cabe apenas continuar apostando. 

Jouse engoliu o choro amargo dizendo: Vou apostar em um novo amor, doce e brando...



Coletânea CHOVE CÃES E GATOS - Ofício das Palavras

Nossa querida amiga May convida para participação na coletânea de contos que ela está organizando: CHOVE CÃES E GATOS Cada auto...