terça-feira, 16 de maio de 2017

QUE SUSTO! - Dinah Ribeiro de Amorim


Resultado de imagem para feira livre

QUE SUSTO!
 Dinah Ribeiro de Amorim


  — Moço, o Senhor sabe onde moro? É que eu não sei!

   Perguntei aflito, aos quatro anos, ao dono da banca de peixes, na feira perto de casa.

  Insisti com mamãe que queria acompanhar Dorita nas compras da feira, prometendo não largar da mão dela, até chegar em casa. De tanto ouvir falar que na feira tinha muita novidade, frutas gostosas, fiquei curioso em conhecê-la, como se fosse um shopping ou loja de brinquedos.

Dorita levou uma lista de coisas para comprar e eu ia segurando na sua sacola para não me perder.

 Fiquei meio atrapalhado com tanta gente falando e caminhando, misturando frutas, verduras, dinheiro, sacolas, discutindo preços, vozes altas demais. Dorita sempre me olhando e avisando para não sair de perto dela. Grudei forte em sua sacola, mas era tanta gente empurrando, ora eu ia para um lado, ora para outro.

 De repente, passamos por uma senhora muito gorda, maior que a Dª Ivete, lavadeira lá de casa, e fui jogado para trás, soltando minha mão e perdendo Dorita de vista. Tentei encontrá-la,  mas não consegui. Feira é um lugar perigoso para crianças, pensei! A gente fácil, fácil, se perde.  Nem sei como voltar para casa. Tomara que ela esteja me procurando! Acho melhor ficar aqui, no canto, até ela me achar.

 Esperei um tempão, assustado, no meio de tanta gente estranha... Todos vinham falar comigo: “Que criança engraçadinha!” “ Cadê sua mãe!” “ Está perdido! “ Até que um menino grande, desses que ficam rondando por aí, aproximou-se de mim, querendo puxar papo. Fiquei com medo e me aproximei da primeira banca que encontrei, era o homem que vendia peixes. “Será que me ajudaria a chegar em casa!” Perguntei.

  Ele coçou a cabeça, alisou seus bigodes pretos com as mãos sujas de escamas e respondeu:

—Não sei onde mora, garoto, mas espera um pouco que vou chamar um guarda e ele logo acha quem trouxe você  aqui! Pegou um alto falante, barulhento demais e avisou que tinha um menino perdido na banca de peixes! Morri de vergonha e logo avistei Dorita, toda descabelada, afastando todo mundo e chegando até nós, desesperada.

— Onde se meteu, Jorginho! Sua mãe vai ficar louca comigo! Estou cansada de tanto procurá-lo, sem saber como fazer para encontrá-lo no meio de tanta gente.

  E eu, que nunca tinha me perdido antes, fiquei também sem saber como contar para mamãe o susto que passei e o que tinha realmente achado dessa bendita feira “perto” de casa!


 Com calma, mais tarde, mamãe achou melhor que eu andasse sempre com uma correntinha no pescoço, com nome e endereço gravado, quando saísse de casa com empregada, parecendo o cachorrinho de raça da vizinha, para não ser colocado na carrocinha. Desejei crescer logo! Não gostei muito de ser comparado ao cachorrinho. O melhor era não sair mais de casa! Por enquanto!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Em desalinho - Ana Catarina Sant’Anna Maues

Em desalinho Ana Catarina Sant’Anna Maues    Cheio de segredos ele vivia. Era homem de ações nada claras. Pessoa fria e calcul...