quarta-feira, 13 de maio de 2015

O CARPINTEIRO SOLITÁRIO! - Dinah Ribeiro de Amorim



O CARPINTEIRO SOLITÁRIO!
 Dinah Ribeiro de Amorim

Havia no povoado de Trás dos Montes, um carpinteiro que trabalhava muito bem, mas muito solitário. Vivia sozinho porque não tinha filhos e a esposa falecera.

Durante o dia, dedicava-se à profissão com afinco, mas quando chegava em casa, à noite, sentia-se triste e só.

Resolveu fazer um boneco de madeira, para, pelo menos, olhar para ele e ter com quem conversar, mesmo que não respondesse.

Criou, então, com carinho, um elegante boneco, em madeira de lei, com chapéu e tudo o mais: terno, gravata, botões, semelhante a um homenzinho de verdade. Só faltava falar.

Cada noite que chegava em casa, olhava para ele com alegria, inventando detalhes como uma flor na cartola, um bolso colorido, o desenho de uma casa em sua roupa, enfim, queria deixá-lo cada vez mais doméstico e amigável. Até seu gramofone, com músicas ligeiras, apoiado no ombro, colocou para que escutasse. Quem sabe conseguiria emitir alguns sons.

Reparou que ele não sorria, apesar de tantas palavras carinhosas que lhe dirigia. “Seria tão bom se você falasse”, pensou o carpinteiro. “Poderíamos trocar ideias engraçadas”. “Seria tratado como um filho”. Ouvira, há muito tempo, uma história de um outro carpinteiro, chamado Gepeto, que construíra um boneco que falava e andava. Quem sabe o seu também.

De tanto amar o boneco, pedindo que ele ficasse mais alegre e falasse,  ouviu uma resposta: “Meu espelho é você!” “Também gostaria de ter um amigo boneco para conversar, quando sai para ao trabalho e fico só.”

Mais que depressa, o carpinteiro pensou em resolver tal situação. Fez-lhe também um boneco ligado à sua mão por fios, um  fantoche, para ele movimentar, brincar e falar.

Notou, ao chegar à noite, que o boneco sorria alegre, esperando-o também para conversar. Aprendera  através do amigo novo que fizera.


Moral da história: “Nossa solidão é aliviada quando se alivia também a solidão dos outros!”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Em desalinho - Ana Catarina Sant’Anna Maues

Em desalinho Ana Catarina Sant’Anna Maues    Cheio de segredos ele vivia. Era homem de ações nada claras. Pessoa fria e calcul...