terça-feira, 3 de abril de 2018

UM PEDIDO DE PERDÃO! - Dinah Ribeiro de Amorim

Resultado de imagem para mãos de mulher em oração


UM PEDIDO DE PERDÃO!
Dinah Ribeiro de Amorim

  Orei, orei muito, perto da sua morte. Queria salvá-lo, pelos filhos, por ele que amava a vida, por mim... pela falta que faria depois...

  Sabia, no fundo, que ainda dependia dele. Num momento mais sério, algum infortúnio, na hora da dor, estávamos ainda juntos como um fio não interrompido, um elo não totalmente desfeito.

  Não sei explicar o que senti! Dor pela perda, compaixão pelo seu sofrimento, pela sua solidão num momento tão difícil, apesar dos filhos e irmãos. Raiva, também, por ainda me fazer sofrer...

  Tentei ser forte, animá-lo, orar por ele; fazer pedidos de prece a pastores, dar-lhe alguma esperança. Quando percebi que a doença implacável tomava conta, falava-lhe de Jesus, de paz, de uma outra vida, outro tipo de salvação! E ele creu!

  Juntos no seu final! Não era bem isso que eu queria, não era o que tinha imaginado. Queria-o vivo! Terminar com ele nossa vida na terra. Eu o tinha afastado. Gostaria de corrigir meu erro!

  Amor, compaixão, interesse, com certeza não, mas, respeito, compreensão da vida, amizade, num amadurecimento que só se adquire com a idade, com certeza sim!

  Chorei, chorei muito quando decidiu ser sedado, despedindo-se de tudo e de todos.

  Nunca imaginei que pudesse ser tão corajoso. Mais que todos nós à sua volta.
  Senti-me fraca, impotente, quebrada, como se nada mais importasse.

  Veio naquele exato momento, uma lembrança à minha memória: quando decidimos pela separação havia dito: “Você ainda vai chorar muito, lágrimas de sangue. ”

  Lágrimas de sangue não, mas lágrimas de uma mulher ferida, machucada, vencida, sim, principalmente quando ouvi um pedido de perdão, perdão pelos seus erros e agradecimento pelos filhos que tivemos juntos!

  Guardo em minha Bíblia o bilhete que me deixou e é um conforto saber que está livre, totalmente livre dos sacrifícios impostos por essa doença maligna...

  Sinto muita tristeza ainda! Lágrimas me vêm aos olhos quando lembro seus momentos finais. Pareço uma mulher viúva, apesar de anos de separação.

  Se o perdoei? Com certeza, perdoei-o sim!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Carta para Otavinho - Isabel Lopes

São Paulo, 9 de agosto de 2018. Querido Otavinho, Vou lhe contar um segredo, mas não conte para ninguém, por favor... ...