quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Verdade ou alucinação? -Hirtis Lazarin


Resultado de imagem para águias voando

Verdade  ou  alucinação?
Hirtis Lazarin

          Acordei assustada com o estrondo de um trovão, acompanhado de um relâmpago que iluminou a sala escura.

          O cuco cantou cinco vezes.

          Cheguei de um plantão de dezesseis horas no pronto-socorro.  Tirei jaleco e sapatos apertados,  joguei-me no sofá confortável e adormeci profundamente.

          A casa estava envolta numa escuridão só.  A única coisa que visualizei foi um passarinho que escapuliu da casinha de madeira do cuco.  Passou voando rente aos meus olhos.  Como esse animalzinho foi parar ali...Até hoje não sei.

          O medo levantou-me do sofá.  Arrastando os pés, tateando móveis e paredes, senti o interruptor de luz.  Energia elétrica cortada.

          Continuei em passos lentos e cuidadosos.  Alcancei a janela da sala que se abria pra rua.  As luzes dos postes estavam acesas.

          O céu cobria-se de nuvens negras.  Atormentadas por rajadas de ventos uivantes, chocavam-se umas contra as outras.  Desses choques caía chuva em abundância misturada a pedras de gelo que caíam sem  dó.

          Um cachorrinho vira-lata encharcado tremia de medo e frio buscando um cantinho pra se esconder. 

          Gritei várias vezes até que me ouviu e chegou próximo à janela.  Com o maior esforço, na ponta dos pés, dobrando meu corpo feito contorcionista , agarrei o bichinho.  Agasalhei-o com meu casaco de lã.  Essa façanha deixou-me tão molhada  que ganhei um resfriado e febre alta por três dias.  Valeu a pena. Adotei o cachorrinho e hoje é um ótimo companheirinho.

          Já fazia mais de uma hora que eu estava ali presa à janela quando uma águia passou, num voo rasante, tendo uma corda presa a um bico enorme e forte.  Na outra extremidade da corda uma menina estava amarrada.  Logo em seguida, outra águia transportando outra menina.  E mais outra...E mais outra.  Contei quatro.

          Não consegui gritar.  A voz ficou agarrada na garganta.

          Não era sonho nem alucinação.  O cãozinho latia, latia sem parar.

          Acordei num leito de hospital rodeada por meus familiares e o Dr. João, médico da família.

          Não contei a ninguém.  Seria difícil explicar o inexplicável.

          O desmaio que sofri ficou por conta do estresse, muitas horas ininterruptas de trabalho, anos sem férias.

          Infelizmente minha única testemunha não fala.

          Estou pesquisando...E não vou parar...Toda vez que chove forte, corro até a janela na esperança de que as águias voltem.

          Até hoje, nada.


          Sou teimosa.  Não desistirei...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Carta para Otavinho - Isabel Lopes

São Paulo, 9 de agosto de 2018. Querido Otavinho, Vou lhe contar um segredo, mas não conte para ninguém, por favor... ...